Esú

A palavra “Esú” significa, em ioruba, “esfera”, aquilo que é infinito, que não tem começo nem fim. Esú é o principio de tudo, a força da criação, o nascimento, o equilíbrio negativo do Universo, o que não quer dizer coisa ruim. Esú é a célula mater da geração da vida, o que gera o infinito, infinita vezes.É considerado o primeiro, o primogênito; responsável e grande mestre dos caminhos; o que permite a passagem o inicio de tudo. Esú é a força  natural viva que formenta o crescimento. É o primeiro passo em tudo. É o gerador do que existe, do que existiu e do que ainda vai existir.Esú está presente, mais que em tudo e todos, na concepção global da existência. É a capacidade dinâmica de tudo que tem vida. Principalmente dos seres humanos que carregam, em seu plexo, o elemento dinâmico denominado Esú.É  aquilo que no candomblé  chamamos de Bára, ou seja “no corpo”, preso a ele. É o que nos dá capacidade de agir, andar, refletir, idealizar. Sem  o elemento Bára, a vida sadia é impossível. Sem ele, o homem seria excepcional, retardado, impossível de coordenar e determinar suas próprias atitudes e caminhos de vida..Realmente, Esú está presente em tudo. E damos como  exemplo inicial a concepção da geração da vida. O membro ereto do macho tem a presença de Esú- aliás, em terras da África, o membro rijo é o símbolo da vida, o símbolo de Esú - ; a penetração na fêmea, tema a regência de Esú; a ejaculação é coordenada por Esú; o percurso do espermatozóide dentro da fêmea, é regido por Esú; também na fecundação do óvulo  Esú está presente. E quando a primeira célula da vida esta formada, a presença de Esú se faz necessária. Já na multiplicação da célula, a regência passa por Oxum, que vai reger o feto até o nascimento.Esú também está presente no calor, no fogo, na quentura. Presente se faz nos lugares poucos arejados, nos lugares onde existem multidões, nos ambientes fechados e cheios.Esú está na alteração do ânimo, na discussão, na divergência, no nervosismo. Está presente no medo, no pavor, na falta de controle do ser humano. Também está perto na gargalhada, no riso farto, na alegria incontida. Para nós brasileiros, amantes do futebol, Esú está presente no grito de “gol”, que soltamos de forma feliz e nervosa. É o desprendimento do nervosismo contido no peito.Esú é a velocidade, a rapidez do deslocamento. É a bagunça generalizada e o silêncio completo. Diz-se que Esú é a contradição. É o sim e o não; o ser e o não ser. Esú é a confusão de idéias que temos. É a invenção,  descoberta. Esú é  o namoro, é o desejo, é o sentimento de paixão desenfreadas e é também o desprezo. Esú é a voz, o grito, a comunicação. É a indignação e a resignação. É a confusão dos conceitos ba´sico. Aquele que ludibria, engana, e confunde; mas também ajuda, dá caminhos, soluciona. É aquele que traz dor e a felicidade.Para se ter uma noção do comportamento e da regência paradoxal de Esú, cito um de seus Orikis (versos sarados), que diz;

“ Esú matou um pássaro ontem, com a pedra que jogou hoje”

 Assim, pode-se ter uma idéia exata de quem Esú é, como é, e como rege as coisas. Ele esta presente em tudo..... em nada.Esú esta presente no consumo de substâncias tóxicas, no álcool, na droga, no fumo. Ele  é  o sólido, o liquido e o gasoso. Está nas conversas de esquinas, de bares, de restaurantes, de praças. Está na aceitação ou  recusa de qualquer coisa.Está presente também nas refeições, pois ele é quem rege o ato de mastigar e engolir. A gula é atributo de Esú. Está no coito, no prazer sEsúal, na preguiça; mas também está presente na disposição, na energia, sem querer com isso carregar peso, pois Esú não gosta de carregar peso. Outro Oriki fala claramente sobre esta sua particularidade:

“ Xonxô obé, odara kolori erú”

 “ A lâmina (sobre a cabeça) é afiada; ele não tem cabeça para carregar fardos”

Esú é tudo isso e mais. Fogo é o seu elemento, mas a Terra e o Ar são bem conhecidos de Esú. É a  presença constante!

Mitologia

Esú é filho de Iemanjá e irmão de Ogun e Oxossi. Dos três é o mais agitado, capcioso, inteligente, inventivo, preguiçoso e alegre.É aquele que inventa historias, cria casos e o que tentou violar a própria mãe.Numa de suas muitas histórias, podemos entender exatamente suas capacidade inventiva, sua conduta maquiavélica e sua maneira pratica de resolver seus assuntos e saciar seus desejos.Conta-se que dois grandes amigos tinham, cada um deles,um pedaço de terra, dividido por uma cerca. Diariamente os dois iam trabalhar, capinando e revirando a terra, para  plantio.Esú, interessado nas terras, fez a proposta para adquiri-las, o que foi negado pelos agricultores. Aborrecido, mas determinado a possuir aqueles dois terrenos, Esú procurou agir. Colocou na cerca um boné. De um lado branco, de outro vermelho. Naquela manhã, os amigos lavradores chegaram cedo para trabalhar a terra e viram o boné na cerca. Um deles via o lado branco e outro o lado vermelho.Em dado momento, um dos amigos pergunto: -  “O que este boné branco faz em minha cerca?” Ao que o outro retrucou: - “Branco? Mas, o boné é vermelho!” - Não, não, amigo. O boné é branco, como algodão! - Não, não é mesmo! É vermelho como o sangue! - Não sei como você pode ver vermelho, se é branco, está louco? - Não, o louco é você, que vê branco, se a coisa é vermelha!Bem, daí desencadeou-se a maior discussão, até chegarem à luta corporal. E com as mesmas ferramentas de trabalho, mataram-se.Esú, que de longe assistiu a tudo, esperando o desfecho já imaginado por ele, aproximou-se e assumiu a posse das terras, não sem antes fazer um comentário, bem ao seu estilo: - Mas que gentes confusas, que não consegue solucionar problemas tão simples! Esse é o tipo de Esú!Não quero passar a impressão de que se trata de uma coisa ruim, má, mas Esú é  nosso próprio interior, é a nossa intimidade, o nosso poder de ser bom ou mau, de acordo, com nossa própria vontade. Esú é o ponto mais obscuro do ser humano e é, ao mesmo tempo, aquilo que existe de mais óbvio e claro.Assim é Esú, Senhor dos caminhos, pai da verdade e da mentira. O Deus da contradição, do calor, das estradas, do princípio ativo de vida. O mestre de tudo... e nada!

Dados 

Dia: Segunda Feira
Data: Não existe especificamente, pois todos os dias são de Esú.
Metal: Não tem, sua matéria é a terra, pois nasceu da terra em forma de pênis.
Cor:
Preto e Vermelho
Partes do Corpo:
Sensações de sede e de fome, cavidade do Ori (cabeça), cavidade do útero, atividade sEsúal (não da atividade procriadora, da fecundação, pois ele é o resultado, o descendente), placenta fecundada, os pés (bola dos pés), uma parte do fígado (a outra é de Oya).
Comida: Sangue de bode, galos, galinhas, farofa de azeite de dendê, carnes mal passadas, pimenta e bebidas alcoólicas.
Arquétipos: magros, altos, sorridentes, extrovertidos demais, alegres, ambiciosos, com fé na vida, esperançosos para melhorar, positivo.
Símbolos: Ogo (bastão cheio de tranças de palha numa ponta com cabaças dependuradas, nas quais ele traz suas bebidas. O Ogo é todo enfeitado de búzios).